Crescimento profissional: 14 dicas para alcançar o sucesso na sua carreira

[Rodrigo]-ABR-Banner-Blog-B-1

O crescimento profissional é o desejo de muitas pessoas, mas nem todo mundo sabe o que é necessário fazer ou desenvolver para dar o próximo salto na carreira.

Não há uma receita de bolo que funcione da mesma forma para todos, afinal, cada um vive um contexto diferente, com particularidades específicas. No entanto, algumas orientações gerais tendem a ser bastante úteis para qualquer indivíduo que queira evoluir profissionalmente.

É sobre isso que falo neste artigo. Em menos de 8 minutos de leitura você terá acesso a 14 orientações valiosas focadas no crescimento profissional que, com certeza, serão pertinentes para a sua carreira em algum momento. Confira!

O que é crescimento profissional? 

Para mim, a definição de crescimento profissional está atrelada a um processo de evolução na carreira que não compromete a sua vida pessoal. 

Há quem analise esse crescimento apenas sob a ótica profissional, mas por aqui sempre vou defender o equilíbrio. 

Ao longo da vida, somos condicionados a escolher uma carreira e adaptar a nossa vida de acordo com o caminho profissional escolhido. No entanto, acredito no contrário. Você deve, em primeiro lugar, escolher uma vida para, assim, adaptar a sua carreira ao estilo de vida desejado.

É sobre trabalhar para viver e não viver para trabalhar, pegou?

14 conselhos para o seu crescimento profissional

Há muitos gurus na internet dizendo o que você precisa ou não fazer para crescer profissionalmente. As orientações que dou aqui não foram tiradas da cartola, mas são baseadas na minha própria experiência e no que vejo na realidade de boa parte dos meus mentorados.

Mas, como sempre gosto de reforçar, cada pessoa está inserida em um contexto com particularidades e necessidades específicas, então é sempre importante levar isso em consideração na hora de traçar um plano bem direcionado e focado na sua evolução na carreira.

Em seguida, confira os meus conselhos:

1. Desenvolvimento de habilidades gerenciais

As habilidades de liderança podem ser desenvolvidas ao longo dos anos, mas não necessariamente você precisa seguir esse caminho e assumir a posição de um líder no trabalho.

Existem vários tipos de planos de carreira, sendo dois dos mais comuns em Y e em W. 

Na carreira em Y, o profissional pode optar por assumir um cargo gerencial ou se tornar especialista em determinada área técnica. Foi o caminho que eu escolhi para mim quando vim trabalhar no Headquarter de Tecnologia, Pesquisa & Desenvolvimento da Weatherford aqui em Houston, no Texas. 

Já a carreira em W oferece maior flexibilidade, pois é um modelo em que a pessoa atua na parte técnica e na posição de liderança. Esse é um modelo que tenho seguido dentro da minha empresa no Brasil, na qual sou o líder a frente do meu time e o expert na entrega das minhas mentorias e palestras.

É importante ter bastante autoconhecimento e clareza sobre o que você deseja construir profissionalmente, pois em algum momento essa escolha terá que ser feita. Liderar pessoas é um grande desafio e, se for o seu desejo, é possível aprimorar essa habilidade tão importante para o seu crescimento.

2. Comunicação eficaz no ambiente de trabalho

A comunicação em todos os seus formatos (oral, escrita, não verbal) é essencial para crescer profissionalmente. O dia a dia de trabalho vai exigir essa habilidade, pode ter certeza disso.

Para se comunicar via e-mail, por exemplo, gosto sempre de pensar no leitor daquela mensagem. Qual conclusão ele vai tirar a partir do que estou escrevendo? Isso me ajuda a ser mais claro na minha comunicação.

Já para as lideranças, a minha recomendação é, depois de passar instruções ou tarefas ao time, sempre questionar se o que foi explicado ficou claro. Pedir para as pessoas falarem em voz alta o que entenderam ajuda a reduzir ruídos na comunicação.

No livro “Buy back your time”, de Dan Martell, um dos mentores que tenho me aproximado aqui nos Estados Unidos, há um conceito interessante chamado “definition of done” (definição de feitos, em tradução literal). Isso é importante porque deixa claro para os profissionais envolvidos em uma atividade ou projeto o que precisa acontecer para uma tarefa ser tida como concluída.

Por exemplo: um contrato assinado com o cliente só está de fato assinado quando temos as assinaturas e o primeiro pagamento é realizado. Ou seja, é sobre ir além de comunicar uma tarefa que precisa ser realizada, mas deixar claras as evidências de sucesso para não restarem dúvidas.

3. Gestão do tempo e produtividade

Acredite se quiser, mas um estudo realizado pela VoucherCloud revelou que das 8 horas diárias de trabalho, as pessoas passam apenas 2 horas e 53 minutos realmente focadas e produtivas.

Isso acontece porque o ser humano tem uma oscilação de energia natural durante o dia. O primeiro passo para fazer uma boa gestão de tempo é entender e aceitar isso: você não consegue ser uma máquina de trabalhar das 9h às 18h todos os dias. 

É a falta de consciência sobre isso que faz as pessoas superestimarem o que conseguem fazer em 24 horas. Quando se dão conta dessa realidade, tudo muda. É preciso assumir que você tem bem menos tempo de foco do que gostaria e, por isso, deve utilizar esse tempo de forma inteligente.

No meu Método Produtividade Consciente, ensino meus mentorados no mundo inteiro a fazerem uma gestão de tempo simples e eficaz com uma ferramenta que eu mesmo desenvolvi e entrego como parte da Mentoria. Isso é importante porque se trata de um exercício de autoconhecimento sobre para onde está indo o seu tempo de verdade. Sem “achismos”. Com dados!

Além disso, ensino uma técnica simples de planejamento que oferece clareza plena e leveza para os seus dias. No planejamento diário, você deve inserir apenas 5 tarefas por dia, nem mais nem menos, e se comprometer com isso. 

Conhecer o seu cronotipo e entender em quais períodos do dia você tem mais ou menos energia também é fundamental, pois assim consegue organizar a agenda levando esse fator em consideração.

Lembre-se: produtividade é saber priorizar e ter consciência dos seus limites. Todo o resto é insanidade. 

4. Negociação e resolução de conflitos

A minha principal dica para negociar e resolver conflitos é muito simples na teoria, mas bastante desafiadora na prática: escuta ativa e empatia.

Parta sempre da premissa de que você não tem razão, e sim um ponto de vista. E quem faz parte da sua convivência diária carrega outros pontos de vista que podem ou não conflitar com o seu. Pegou essa?

5. Planejamento de carreira a longo prazo

Uma grande dificuldade que as pessoas enfrentam quando realizam um planejamento de carreira a longo prazo é o fato de que as empresas e os seus colaboradores mudam.

Poucas organizações têm solidez à prova de qualquer mudança. Negócios estão suscetíveis a flutuações na economia, riscos do mundo externo e mudanças na alta gestão. Normalmente, o caminho que uma empresa segue está de acordo com a visão e os valores do CEO e seu board of directors.

Por isso, é bastante arriscado levar a sua vida em direção ao plano da sua carreira. É o inverso que deve acontecer. Sempre defendo a construção de um Plano de Vida, pois é assim que você evita se tornar refém da empresa.

Ao ter um Plano de Vida bem estruturado, você passa a ter mais segurança pois se conhece muito melhor e tem consciência sobre o que deseja para si. É sobre colocar a sua vida em primeiro lugar para, depois, encaixar o papel da empresa atual ou dos futuros empregos nesse planejamento.

6. Desenvolvimento de inteligência emocional

A inteligência emocional ainda é tratada como secundária no universo corporativo, está engatinhando. Por mais que muito se fale sobre a importância das soft skills, na maioria das vezes as organizações não vão priorizar esforços para o seu desenvolvimento.

O que eu recomendo é que você assuma esse protagonismo e busque formas de aprimorar essa competência, pois a inteligência emocional é fundamental para o crescimento profissional. 

Seja para lidar melhor com conflitos, fazer gestão de pessoas, dar e receber feedbacks ou dominar as emoções em momentos desafiadores, é uma competência que faz a diferença para quem deseja se destacar na carreira.

Além de cursos e workshops específicos sobre o assunto, fazer terapia também é uma ótima ferramenta para desenvolver a IE. Você já fez ou faz?

7. Inovação e criatividade

Não há como negar que inovação e criatividade são pilares fundamentais para se manter um profissional atualizado e valioso para o mercado de trabalho.

A melhor forma de aprimorar e cultivar essas competências é estudando, compartilhando experiências, colocando seus conhecimentos em prática e testando no dia a dia. O importante é não ficar parado e sempre buscar novas fontes de aprendizado.

8. Networking estratégico

“Você é resultado dos ambientes que você frequenta.”

Acredito de verdade que essa seja a chave para fazer networking realmente estratégico e valioso. 

O mundo corporativo, infelizmente, sequestra demais as pessoas, limitando-as àquela bolha. A minha dica é sempre ir além, procurando diversificar os ambientes nos quais você está inserido para conhecer pessoas com outras perspectivas e experiências.

O LinkedIn, por exemplo, é um ótimo canal virtual para fazer isso, pois permite que você se conecte com profissionais muito além da sua esfera habitual. Mas vale também frequentar eventos e cursos que irão abrir novas portas e fomentar a conexão “olho no olho”.

9. Adaptação às mudanças no mercado de trabalho

As mudanças do mercado de trabalho nunca estarão sob o seu controle, aceite isso.

Inclusive, o Plano de Vida da forma que eu ensino meus mentorados a fazer, centrado no valor do Equilíbrio – contemplando tanto ambições profissionais como interesses pessoais – , deve ser adaptável, ou seja, flexível às mudanças que podem acontecer ao longo do caminho. Com esse nível de consciência, você garante mais leveza para o processo como um todo.

Não é sobre querer controlar tudo ao seu redor, mas estar aberto para se adaptar conforme as necessidades.

10. Aprimoramento de competências digitais

As novas gerações que estão chegando ao mercado de trabalho já nasceram nesse meio, então possuem competências digitais diferentes e mais avançadas.

Diante desse contexto e das novas necessidades do mercado, os demais profissionais precisam estar em constante aprimoramento de suas habilidades digitais para não ficarem para trás.

Isso pode ser feito de várias formas. A própria internet oferece um universo de possibilidades pagas e gratuitas, como cursos, lives, artigos, e muito mais. Você já sabe disso, talvez só esteja buscando seu próximo passo sem clareza ou sem orientação adequada.

11. Mentoria e aconselhamento profissional

Sou um grande fã de mentorias e há mais de 3 anos oriento profissionais no mundo inteiro a continuar progredindo nos negócios sem comprometer valores como saúde, família e lazer.

Sempre tive as minhas referências de mentores na área em que atuo e, quando estou em uma situação desafiadora, procuro pensar como os meus mentores se comportariam. Só de me fazer esse questionamento, isso já muda muita coisa na forma que decido dar o próximo passo.

Uma mentoria, como gosto de reforçar, não é um atalho, é uma forma de acelerar o seu crescimento profissional e pessoal. O mentor é uma pessoa com mais conhecimento do que o mentorado em determinada área e, portanto, contribui por meio das suas experiências  práticas para tornar a evolução mais rápida e efetiva.

12. Estratégias de autocuidado 

O autocuidado é marcado por comportamentos que garantem bem-estar e qualidade de vida, é tudo aquilo que você faz para se sentir bem.

Para mim, autocuidado é equilíbrio, pois está atrelado ao autoconhecimento e  ter consciência sobre quando você está flutuando emocionalmente e o que precisa fazer para voltar aos eixos.

Lembrando que tudo o que você faz em prol da sua saúde reverbera em outras frentes da sua vida, portanto, para crescer na carreira, é necessário manter estratégias de autocuidado no dia a dia.

13. Técnicas de autogerenciamento e organização

Você não precisa ser o gênio da organização para colher ótimos frutos no dia a dia profissional e pessoal.

O que recomendo é ter o mínimo de gestão de e-mail e agenda. Fazer o básico mesmo para tomar consciência sobre as suas prioridades e não se afogar em centenas de tarefas urgentes e compromissos de última hora resultantes de desorganização.

Não importa qual método ou ferramenta você vai utilizar para esse autogerenciamento, apenas faça, combinado? E se quiser o meu acompanhamento, é só me avisar.

14. Estratégias para alcançar equilíbrio entre vida profissional e pessoal

O Método Produtividade Consciente (MPC), que eu desenvolvi e aplico com mentorados no mundo todo, contempla 6 pilares que, se forem muito bem praticados, te direcionam a uma vida com muito mais equilíbrio. Lembrando que o equilíbrio não se trata de uma busca incessante, mas é resultado de medidas que tomamos em nossas vidas.

Os pilares do MPC são os seguintes:

  1. Planejamento: passando por planejamento mensal, semanal, diário e plano de vida;
  2. Produtividade: entender que produtividade não é sobre fazer mais coisas, e sim ter menos coisas para fazer, por ser capaz de priorizar e diferenciar o que é importante e urgente;
  3. Gestão de tempo: a falta de cuidado com a sua atenção lhe faz perder tempo, por isso, é importante aprender a gerenciá-lo de forma simples e prática;
  4. Rotina: não é sobre estar preso ao relógio e fazer todos os dias as mesmas coisas, mas conhecer a sua agenda e ter um fluxo de planejamento para que a sua rotina lhe garanta liberdade;
  5. Autoconhecimento: aplicar a metodologia na sua realidade, adaptando-a conforme as suas necessidades;
  6. Equilíbrio: ao cumprir tudo isso, você perceberá que o equilíbrio é apenas uma consequência, algo que você passa a viver de forma natural no seu dia a dia.

Gostou de conferir todas as dicas que podem contribuir para o seu crescimento profissional? Para continuar essa jornada e dar o próximo passo na construção do seu Plano de Vida centrado no Equilíbrio, convido você a se inscrever na LISTA DE ESPERA VIDA PRODUTIVA.