Da engenharia às mentorias: como fiz uma transição de carreira sem abandonar nada

Da engenharia às mentorias: como fiz uma transição de carreira sem abandonar nada

Quem me vê publicando conteúdos diariamente no LinkedIn, dando palestras e mentorias, às vezes pode até pensar que abandonei a engenharia para trabalhar nessa área.

Na verdade, já acumulo 15 anos de engenharia (5 de formação e 10 de mercado de trabalho) e a ideia de abandonar essa atuação nunca passou pela minha cabeça. O que aconteceu no meio do caminho foram descobertas de outras facetas do Rodrigo que me ajudaram a expandir os meus projetos e ambições relacionadas à minha carreira.

Sou muito mais do que apenas o Rodrigo engenheiro e é sobre isso que falo neste artigo. Para quem tem interesse em conhecer um pouco mais da minha história, fica o convite para continuar a leitura!

A sua profissão não te define, mas ajuda a moldar quem você é

Sou formado em engenharia e atuo na área, mas minha história com a engenharia não tem nada de muito romântico. Eu não era uma daquelas crianças que vivia desmontando carrinhos ou fissuradas por legos. Minha relação com a engenharia se deu apenas pelo fato de eu ter mais facilidade com as matérias de exatas durante o período escolar. Aliás, grande parte dos engenheiros e engenheiras que existem hoje por aí também o são por esta mesmíssima razão, certo? 

O que acontece é que, quando você começa a trabalhar, a sua profissão te enobrece e começa a fazer parte do seu processo de formação como ser humano, ajudando até mesmo a identificar aspectos da sua personalidade. E isso é excelente!

No meu caso, ser engenheiro sempre foi além do fato de ser bom em física e matemática. A engenharia também ressaltou outras características, como ser uma pessoa organizada, relativamente metódica, preocupada com detalhes e por aí vai.

Acompanhe os meus conteúdos também pelo Instagram: @rodrigobarreto.oficial

O grande ponto aqui é ficar atento ao fato de que a sua profissão não te define por completo. Para mim, o que me define sou eu mesmo, a minha essência: o Rodrigo que gosta de pessoas, valoriza a família, adora contar histórias, que é emotivo e é apaixonado por esportes e samba. 

Este é o Rodrigo na essência, que vem muito antes da engenharia. A profissão faz parte de quem eu sou hoje, mas é apenas um componente a mais, não é a minha raiz, entende?

E, pensando bem, hoje enxergo que a engenharia entrou na minha vida para equilibrar um pouco os pratinhos. O Rodrigo que é coração e emoção fica muito mais balanceado com toda a racionalidade dos números e dados.

E como fui da engenharia às mentorias?

Acredito que toda experiência que vivemos faz parte de quem vamos nos tornando ao longo da vida. São histórias que deixam marcas, sejam estas boas ou ruins. E todos os caminhos que trilhei me trouxeram até uma transição de carreira que me permitiu expandir os horizontes e, ao mesmo tempo, manter a minha profissão como engenheiro.

Em 2020, depois de um tempo publicando no LinkedIn, senti a necessidade de estruturar melhor os meus conteúdos. Já tinha bastante gente lendo o que eu escrevia e eu quis tornar o processo um pouco mais profissional.

Nessa época, fiz uma mentoria de autoconhecimento, na qual descobri os meus valores e o meu propósito. Como sempre gosto de reforçar, o foco jamais foi abandonar a engenharia, mas fui atrás dessa mentoria porque desejava entender por que eu gostava de escrever e compartilhar ideias.

A descoberta do propósito e dos valores como norte para a transição de carreira

Foi nesse momento da minha vida que entendi uma coisa: compartilhar conhecimento era parte do meu propósito. Ao fazer isso, abasteço um dos meus principais valores, a sabedoria. Percebe como “valores” e “propósito” se conectam?

Para escrever os conteúdos que publico nas redes sociais, é necessário passar por todo um processo de estrutura e didática, ou seja, tudo isso faz as ideias se organizarem na minha mente e, assim, eu aprendo bastante também.

Outro valor que descobri na mentoria é o equilíbrio, algo que sempre valorizei. Até me lembrei de um amigo da faculdade que me disse há muitos anos que nunca havia conhecido alguém que soubesse equilibrar tão bem a vida pessoal e profissional, ou seja, isso sempre fez parte de mim.

Aliás, não é por acaso que o título do meu livro é Equilíbrio: um guia para conciliar sua vida pessoal e profissional, não é mesmo?

Bom, tudo isso para ressaltar como esses processos de autoconhecimento são importantes para você compreender melhor quem é e os diferentes aspectos da sua vida.

Enfim, o equilíbrio entre os dois mundos

Conforme me conhecia mais e mais, fui entendendo outras paixões e o que me movia na vida profissional além da engenharia.

Assim, entendi que por meio de mentorias eu poderia contribuir de alguma forma para tornar a vida das pessoas melhor. E passei a identificar aspectos que a família, o esporte, a música e outras esferas importantes na minha formação plantaram em mim, por exemplo: produtividade, equilíbrio, sabedoria e escuta ativa.

Foi assim que enxerguei a possibilidade de realizar mentorias de produtividade, equilíbrio e gestão de tempo para compartilhar o meu conhecimento e ajudar os outros.

Tudo isso sem abandonar a engenharia, ou seja, hoje continuo com o meu emprego na área de formação e, em paralelo, dou várias palestras, treinamentos e mentorias.

É possível conciliar múltiplas carreiras

A grande reflexão que desejo trazer neste artigo é o fato de que é possível conciliar carreiras distintas. Você não precisa abandonar o que faz hoje para experimentar algo novo.

Para isso, procure cultivar a seguinte mentalidade: ao invés de buscar fazer o que você ama, por que você não procura amar o que você faz?

Você também pode olhar para os aspectos que gosta da sua profissão hoje para encontrar uma forma de amar o que faz, sem necessariamente fazer o que você ama. Pegou essa?

Eu, por exemplo, adoro montar apresentações e escrever artigos científicos. São duas grandes paixões no meu trabalho como engenheiro e que estão atreladas a outros tipos de conhecimentos e habilidades além do técnico da engenharia.

Mas sei que nem sempre é fácil compreender todas essas questões e chegar às respostas que buscamos. Hoje, consigo olhar para trás com a lente de aprendizado, mas a jornada é sempre complexa. Por isso, parte da minha missão é ajudar outros profissionais que estejam nessa busca por autoconhecimento a dar o próximo passo na transição de carreira também.

Para auxiliar nesse processo, a dica é fazer uma Mentoria de Carreira, que é capaz de auxiliar em diversos aspectos da sua vida profissional para que você entenda melhor as suas potencialidades e possa fazer escolhas muito mais alinhadas à sua essência.

Quer saber mais? Acesse o meu site e entre em contato.